domingo, 30 de agosto de 2009

Educação, informática








Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

sábado, 29 de agosto de 2009

DIVERSIDADE FOLIAR - ESCOLA VANIA MEDEIROS LOPES

Quando falamos na importância das plantas, mas não observamos seus detalhes como a estrutura da planta, suas cores, seus formatos e tamanhos, não notamos verdadeiramente esses seres vivos que nos fazem tão bem, nos dando o oxigênio, a sombra, as flores, os frutos. Nesse projeto buscamos observar as folhas, órgãos importantes, pois nelas ocorrem a transpiração, a respiração e a fotossíntese, isto é, a captação da energia da luz do sol e a transformação das substâncias minerais absorvidas no solo (água e sais minerais) e do ar (gás carbônico) em substâncias orgânicas. A partir delas é feita a distribuição do alimento para todos os órgãos da planta. Na escola Vania, a turma da EJA da primeira fase do Ensino médio fez o trabalho com as folhas, classificando-as pela forma, margem, venação, folhas simples e compostas foram desidratadas e cuidadosamente dispostas em cartolinas. Foi um trabalho demorado, levando um mês para terminar a desidrataçãoo das folhas. Depois disso utilizamos um livro sobre morfologia vegetal para fazermos a classificação em sala de aula, o que também levou semanas para concluirmos. Veja como ficou esse trabalho.
Algumas
fotos do período de desidratação.






O trabalho pronto. Esse trabalho está exposto na sala dos professores e na sala da direção na Escola Vania Medeiros Lopes.




A Selma se escondeu....




Se escondeu....


Até que apareceu....rsrsrsrs

Os alunos capricharam e estão de parabéns!! Tem muita turma do ensino regular que não faz um trabalho tão bom. Parabéns a vocês., turma da EJA ensino médio da escola Vania.

TIPAGEM SANGUÍNEA - ESCOLA VANIA MEDEIROS LOPES

Clique no título acima e veja como foi o projeto na Escola Vania Medeiros. Você será direcionado para o meu outro blog, do blogger. Clique para entrar e ver as fotos do projeto na Escola Vania.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Se você acha que sua vida é ruim, é porque nunca estudou a vida das abelhas!

Abelhas

Como você deve saber, existem nos seres vivos relações harmônicas: como o mutualismo, o inquilinismo e o comensalismo. E as relações não harmônicas, que são o: predatismo, parasitismo e a competição.
Como qualquer espécie, nenhuma sobrevive sozinha. Esse o caso das abelhas que iremos falar agora.

Sociedade
A palavra sociedade na ecologia significa: tipo de relação ecológica estabelecida entre indivíduos de uma mesma espécie. Existem mais de 20 mil espécies de abelhas conhecidas. Muitas espécies de abelhas vivem sozinhas. A fêmea fecundada constrói ninhos no chão e coloca seus ovos. Na maioria das vezes, elas morrem antes que os filhotes tenham atingido a forma adulta. A espécie de abelhas mais conhecidas são Apis mellifera, que vivem em sociedade. Nessa espécie existem as seguintes castas: a das rainhas, a das operárias e a dos zangões. A rainha é a fêmea fértil ,e ela pode botar até mil ovos por dia.Os zangões são os machos férteis.As operárias são fêmeas estéreis (não podem se reproduzir).Não podemos esquecer que as abelhas nutrem-se do néctar e do pólen retirados das flores.Muita gente já ouviu falar na palavra própolis ,esse produto é coleta das plantas pelas as abelhas,e usam esse produto para o fechamento de frestas da colméia;contribui também para evitar o desenvolvimento de microrganismos na colméia. No ser humano usa-se o própolis em propriedades antiinflamatórias,cicatrizantes e antimicrobianas.Muitas pessoas usam essa substância no tratamento de feridas,até na confecção de pastas de dente,chocolates,xampus,cremes e balas.

Classificação científica
Reino: Animália
Filo: Artrópode
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Superfamília: Apoidea

Diferentes abelhas
Abelhas sociais - são as que vivem em enxames, isto é, em grande número de indivíduos no mesmo ninho, e onde haja divisão de trabalho e separação de castas. As castas são os membros da colméia, normalmente uma rainha, zangões e operárias. Embora sejam a minoria dentre as várias espécies, trazem em si o que realmentecaracteriza a essência do reino das abelhas.
Abelhas solitárias - são as que vivem sozinhas e morrem antes que seus filhos atinjam a fase adulta. Constroem ninhos no chão, em fendas de pedras e árvores, em madeira podre ou em ninhos abandonados de outros insetos. Normalmente as fêmeas fecundadas preparam cuidadosamente o ninho, suprem cada célula com uma quantidade adequada de alimento preparado é base de pólen e mel, e colocam o ovo sobre essa camada de alimento. Então fecham cada célula, fecham o ninho por fora e vão embora.
Abelhas parasitas - Uma abelha somente parasita outra abelha e utiliza-se apenas do trabalho e do alimento que o hospedeiro armazenou. Na maioria dos casos, o parasita invade os ninhos, coloca seus ovos nas células já prontas e aprovisionadas pelo hospedeiro e deixa que seus filhos se desenvolvam aos cuidados deste. Em alguns casos, o parasita passa a conviver com o hospedeiro e pode, até mesmo, desenvolver algum tipo de trabalho em conjunto.
Partes da abelha
O corpo de uma abelha melífera divide-se em cabeça, tórax e abdome.
As abelhas possuem na cabeça os órgãos sensoriais que lhe permitem saber o que se passa ao seu redor.
Através dos grandes olhos compostos, podem orientar-se em seus vôos e distinguir as cores das flores.

domingo, 23 de agosto de 2009

FALANDO DE TRANSGÊNICOS!!

Empresas de biotecnologia impedem a realização de pesquisas independentes sobre transgênicos

Cientistas precisam pedir permissão às empresas antes de publicar pesquisas independentes sobre lavouras transgênicas.
Avanços na tecnologia agrícola -- incluindo, mas não apenas, a modificação genética em culturas alimentares -- tornou as lavouras mais produtivas do que nunca. Agricultores produzem mais e alimentam mais pessoas usando menos terra. Eles também podem usar menos agrotóxicos e reduzir o número de aragens que provocam erosão. E dentro dos próximos dois anos, empresas de tecnologia agrícola planejam introduzir lavouras avançadas desenvolvidas para resistir a ondas de calor e a secas, características de resiliência que se tornarão cada vez mais importantes num mundo marcado pelas mudanças climáticas.
Infelizmente, é impossível verificar se as lavouras transgênicas de fato apresentam a performance propagandeada. Isto porque as empresas de tecnologia agrícola outorgaram-se poder de veto sobre o trabalho de pesquisadores independentes.
Ao comprar sementes transgênicas, qualquer cliente é obrigado a assinar um acordo que limita o que pode ser feito com as sementes (se você instalou algum software recentemente, saberá reconhecer o conceito de acordo de licença do usuário final). Acordos são considerados necessários para proteger os direitos de propriedade intelectual das empresas, e eles justificadamente proíbem a replicação dos aprimoramentos genéticos que tornam estas sementes únicas. Mas empresas de biotecnologia como a Monsanto, a Pioneer e a Syngenta foram além. Por uma década seus acordos de usuários vêm explicitamente proibindo o uso de sementes para qualquer pesquisa independente. Sob a ameaça de litígio judicial, cientistas não podem testar uma semente para explorar as diferentes condições sob as quais ela prospera ou falha. Eles não podem comparar sementes de uma companhia com aquelas de outra empresa. E talvez mais importante, eles não podem examinar se lavouras transgênicas apresentam efeitos ambientais colaterais inesperados.
Pesquisas sobre sementes transgênicas ainda são publicadas, é claro. Mas somente estudos que recebem a aprovação das empresas de sementes são aceitos para publicação em periódicos científicos. Em muitos casos, experimentos que receberam um aval implícito das sementeiras para seguir adiante tiveram posteriormente sua publicação bloqueada porque seus resultados não eram positivos sob a ótica das empresas. É importante compreender que não se trata apenas de uma recusa geral para todos os pedidos de pesquisa, o que já seria ruim o bastante, mas sim de recusas e permissões seletivas baseadas na percepção das indústrias sobre o quão amigável ou hostil um cientista em particular pode ser em relação à tecnologia [de aprimoramento genético], escreveu Elson J. Shields, um entomologista da Universidade de Cornell (EUA), em uma carta a um representante da Agência de Proteção Ambiental (EPA, o órgão do governo americano encarregado da regulamentação dos transgênicos no que tange as consequências para o meio ambiente).
Shields é o porta-voz de um grupo de 24 pesquisadores de insetos que se opõem a estas práticas. Pelo fato de os cientistas dependerem da cooperação das empresas para a realização de suas pesquisas -- eles precisam, afinal de contas, ganhar o acesso às sementes para realizar os estudos -- a maioria preferiu permanecer anônima com medo de represálias. O grupo submeteu uma declaração ao EPA protestando que como resultado do acesso restrito [às sementes], nenhuma pesquisa verdadeiramente independente pode ser legalmente conduzida sobre muitas questões críticas a respeito da tecnologia.
Já seria assustador o bastante se qualquer outro tipo de empresa fosse capaz de evitar a realização de pesquisas independentes para testar seus produtos e relatar suas descobertas -- imagine fabricantes de carros tentando impedir as comparações entre modelos de diferentes empresas feitas pela Consumer Reports [uma revista para consumidores de grande circulação nos EUA, produzida pela ONG Consumers Union], por exemplo. Mas quando cientistas são impedidos de examinar os ingredientes do suprimento alimentar da nossa nação ou de testar o material vegetal que cobre uma grande porção das terras agrícolas do país, as restrições sobre a pesquisa livre tornam-se perigosas.

Embora nós prezemos a necessidade de proteção dos direitos de propriedade intelectual qe impulsionaram os investimentos em pesquisa e desenvolvimento que levaram aos sucessos da tecnologia agrícola, nós também acreditamos que a segurança dos alimentos e a proteção do meio ambiente dependem de que os produtos agrícolas tornem-se disponíveis ao escrutínio científico regular. Empresas de tecnologia agrícola deveriam portanto suspender imediatamente as restrições à pesquisa impostas por seus acordos de usuário final. Indo além, a EPA deveria também exigir, como uma condição para a aprovação da venda de novas sementes, que pesquisadores independentes tenham acesso irrestrito a todos os produtos disponíveis no mercado. A revolução agrícola é importante demais para ficar escondida atrás de portas trancadas.

Scientific American, Editorial, edição de agosto de 2009, publicado em 21/07/2009.
http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=do-seed-companies-control-gm-crop-research

Fique por dentro dos problemas da natureza e como ajudar!

Acesse o site do Greenpeace, torne-se um sócio e faça parte da comunidade que ajuda a melhorar a vida do Planeta e o futuro da Humanidade, respeitando e agindo de maneira ecologicamente correta.

Piadas engraçadas!


sábado, 22 de agosto de 2009

Projeto "coleta seletiva de pilhas e baterias"!


A escola Estadual Weimar Torres do Distrito de Guassulandia (Glória de Dourados), em parceria com a GEBIO (Grupo de estudo em proteção à biodiversidade, de Naviraí), escolas do município, Prefeitura Municipal, associações e comércio local realiza no período de 01/08 a 01/10 o Primeiro Projeto de Coleta seletiva de Pilhas e Baterias.
O projeto tem como principal objetivo contribuir com a coleta e descarte correto de pilhas e baterias, fazendo com que os alunos e a comunidade de Glória de Dourados, possam refletir e ter maior compromisso com o meio ambiente, conscientes dos problemas causados pelo descarte irresponsável desse tipo de material.
Segundo as professoras idealizadoras do projeto, Débora Cristiane (Ed. Física) e Maria Aparecida (Ciências), o trabalho de conscientização, é um trabalho a longo prazo, porém, isso é possível com a participação de crianças e jovens motivados a realizar algo que julgam importante para que todos possam ter um mundo melhor no presente e no futuro, com saúde e respeito a vida de todos os seres vivos, onde também está incluído o homem.
Vários pontos de coleta nas escolas e no comércio, foram colocados no município, como forma de apoiar essa iniciativa, que esperamos seja apenas o início de grandes passos para a construção da cidadania e bem estar humano.
Todo o material coletado será enviado pela GEBIO para São Paulo, onde terá destinação ou, quando possível, reaproveitamento de forma correta.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Sophia! Ganhou novo lar na casa de Amanda!

Avinda ontem o Grego disse que a filha Amanda, a caçula, queria um cachorrinho. E contei-lhe o que havia acontecido com a pobre Sophia, que havia sido abadonada, ou se perdido...sei la, e fora atropelada e estava sendo cuidada em minha casa. Uma fofura, com ares de cachorrinha de madame, embora estivesse descuidada, magrinha e de certa forma feia. Mas agora depois de uma semana comigo, se alimentando bem, tendo carinho, está muito melhor, e vai melhorara a cada momento. Mas, aqui, está difícil, pois a cadela maior, a Lia não está aceitando sua presença, embora, eu esteja apaixonada por ela. Então mostrei a foto para Amanda e hoje o Grego e a filha vieram ver Sophia. Amanda de imediato se apaixonou por Sophia, então Grego a pegou no colo, e disse que iria levá-la para sua esposa ver, e logo traria de volta, para arrumar direitinho a casinha para a ida definitiva de Sophia. Assim que eles pegaram Sophia no colo e a puseram no carro desandei a chorar, acho que me apeguei a ela. Tão carinhosa, tão meiguinha...pena que não posso ficar com ela porquue minha mãe acha muita responsabilidade, e ficamos preocupadas quando precisarmos sair, porque a Lia fica solta e Sophia vai ficar assustada, e não podemos deixá-la presa dentro de casa né? Bem,poderíamos levá-la conosco sempre se tivéssemos carro, mas não temos. É complicado. Então, se ela vai ser bem cuidada e amada, é melhor deixarmos que ela ajude uma criança a sorrir e se divirta com essa criança linda e meiga que é Amanda.
Bem, uma história com final feliz!!! Embora eu tenha chorado lógico...eu eu Cristina que cidou dela no primeiro dia.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Sophia! Uma noite de Cão.


Sophia, uma cadelinha meio pudle meio vira-latas...rsrsrsrsr....está aqui desde segunda-feira. No sábado ela sofreu um atropelamento, mas não quebrou nada...rsrsrs...apenas bateu na perna e ficou mancando um pouquinho. A Cristina cuidou dela no domingo, e na segunda ela veio para ca. A Lia a cadela mais velha no pedaço não aceitou a nova moradora. Aí o bicho pegou!!! A noite a Sophia fica na área com o portão fechado, e a Lia fica solta no quintal todo; durante o dia a Lia fica no quintal de trás e a Sophia fica solta no quintal da frente. Segunda-feira a regra até que funcionou, mas na terça, estava, eu, dormindo já passava das duas da madrugada...rsrs...de repente a Sophia começa a gritar desesperada! Joguei os cobertores, pois estava muito frio, e rapidamente abri a janela do quarto, que da para a área. Eu estava de pijama de algodão e meias, quentinha naquele frio. Quando percebi que a Sophia tinha atravessado as grades do portão da área - talvez para fazer alguma necessidade (ou testar a agressividade da Lia, sei la)- só sei que vi a Lia avançando sobre Sophia, que deitada gritava pq a outra a agredia. Desesperada, eu abri a janela, pulei (por acaso em cima de uma poça de xixi que a Sophia tinha feito no chão abaixo da minha janela) de meias, e comecei a gritar no portão que estava com cadeado: Lia, Lia, solta, solta. Até que a Sophia passou de volta pra área entre as aberturas da grade do portão. Por sorte não sofreu nenhuma mordida séria. Minha mãe, claro que também levantou, ficou desesperada por me ver de pijama, meias e pisando no chão frio. E eu corri para pegar umas sandálias para tirar aquelas meias molhadas de xixi da cadelinha..arrghh....e ir pro banheiro ligar o chveiro pra lavar os pés e as mãos. Quando dei de cara com a porta do meu quarto, estava trancada por dentro. Pois é, eu costumo dormir com o quarto trancado por dentro porque a molinha do trinco soltou, e a porta só fecha com a chave mesmo, e como meu gato siamês dorme na casinha dele dentro de casa, tenho medo que ele entre no quarto a noite. Aí, tive que sair novamente para pular a janela para entrar no meu quarto e poder colocar os chinelos para então lavar meus pés. Affff....comecei a tossir, e ter falta de ar....afinal, sai dos cobertores direto pra janela, e para pisar no chão frio com xixi!!!!! Essa foi uma verdadeira noite de cão!!!! Se tivesse filmado iria pras videocassetadas....kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

domingo, 9 de agosto de 2009

Artigos sobre Abelhas Apis mellifera

Aqui resolvi colocar alguns artigos importantes sobre entomologia. São todos artigos científicos que estão hospedados em sites de revistas científicas confiáveis.

Comportamento de coleta de alimento por Apis mellifera l., 1758 (Hymenoptera, apidae) em cinco espécies de eucalyptus
L. C. Marchini1 e A. C. Moreti2
1Departamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola,
ESALQ/USP, C. P. 09, CEP13418-900, Piracicaba, SP, Brasil
Food collection behavior of Apis mellifera l., 1758
(Hymenoptera: apidae), in five eucalyptus species
ABSTRACT. Ten flowers of each of the Eucalyptus species E. citriodora, E. camaldulensis, E. grandis, E. tereticornis
and E. urophylla were marked with the objective of determining the type of food (pollen or nectar) that the bees collected at three different hours (08:00, 11:00, and 16:00) daily during the blossoming period. The number of bees visiting each flower was counted at each hour during five minutes of observation. On the first and second blossoming days, E. camaldulensis was the species least visited by the bees for pollen collection at all three hours of observation, when compared with the other four species, which were equally visited. On the other hand, on the first blossoming day at 08:00 h, E. camaldulensis was the most visited species for nectar collection. It is concluded that at the beginning of the blossoming period in the majority of Eucalyptus species studied, the food most collected by the bees is pollen, while from the third blossoming day onward it is nectar. At 08:00 h the food most collected is pollen, while at 11:00 and 16:00 h it shifts to nectar. This information is important for the success of apiculture in certain
regions, especially so in the case of migratory beekeeping.

Key words: Bee visits, Hours of day, Nectar, Pollen, Apis mellifera

RESUMO. Com o objetivo de conhecer o tipo de alimento que as abelhas coletam (pólen ou néctar) em três diferentes horários (8, 11 e 16 horas) nas espécies de Eucalyptus: E. citriodora, E. camaldulensis, E.grandis, E. tereticornis e E. urophylla foram marcadas dez flores de cada uma das espécies, contando-se o número de abelhas que visitavam cada flor durante todo o período de florescimento. Essa contagem correspondeu ao número total de abelhas que visitam a flor em cada horário, num intervalo de cinco minutos de observação. Verificou-se que no primeiro e segundo dias do florescimento a espécie E. camaldulensis foi a menos visitada pelas abelhas para coleta de pólen, em todos os horários de observação, quando comparada com as outras quatro espécies, as quais foram igualmente visitadas. Por outro lado, no primeiro dia do florescimento, no horário das 8 horas a espécie E. camaldulensis foi a mais visitada para a coleta de néctar. Pode-se concluir que no início do período de florescimento da maioria das espécies de Eucalyptus estudadas, o elemento com maior disponibilidade para as abelhas é o pólen e que a partir doterceiro dia do florescimento, é o néctar.
No horário das 8 horas o elemento com maior disponibilidade
é o pólen, enquanto às 11 e 16 horas passa a ser o néctar. Estas informações são importantes para o êxito da apicultura em determinadas regiões, em especial na apicultura migratória.
Palavras-chave: néctar, pólen, horários, visitas de abelhas, Apis mellifera.
Veja o artigo completo no site da revista ALPA, no link abaixo.
http://www.alpa.org.ve/PDF/Arch%2011-2/AL%20112-1.pdf

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Dell

"Promoções em Notebooks"

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Tipagem sanguínea na escola Weimar

Projeto Tipagem sanguínea sendo realizado na escola Weimar Torres com alunos do terceiro ano do ensino médio. Os menores de 18 anos trouxeram autorização dos pais.









Maria fazendo seu exame.

A participação dos alunos observando as reações ocorridas com os reagentes.





Professora Ivonete, fazendo o exame.














Na escola Weimar Torres em Guassulandia, os alunos do terceiro ano também participaram do projeto para conhecer seu tipo sanguíneo. A Farmacêutica Débora também estava lá. Veja as fotos.








domingo, 2 de agosto de 2009

Tipagem sanguínea...na Escola Hilda bergo.





Projeto Tipagem sanguínea...uma aula prática e útil de biologia que se tornou um projeto. Bem, ao iniciarmos o assunto Sistema ABO percebemos que a maioria dos alunos não sabia os eu tipo sanguíneo nem o Rh...isso é sério, porque afinal, mulheres com fator Rh negativo quando planejam ter filhos, quando engravidam precisam ser assistidas para que seu filho nasça saudável e não venha a ocorrer a eritroblastose fetal.
Bem, então, conversamos com a Débora e o Marcos do Laboratório LABMED, e estes concordaram em realizar os exames, demonstrar em sala de aula, e ainda fornecer as carteirinhas contendo o tipo e Rh de cada aluno. Foi muito interessante e tiramos fotos dessa aula maravilhosa. A partir daí surgiu também a idéia de fazermos um projeto incentivando essa ação, bem como a doação de sangue e de órgãos tão importante para salvar vidas de muitas pessoas que aguardam esse ato de amor. Veja as fotos dos alunos e da bioquímica fazendo a coleta de sangue. Tem também fotos com a professora e a coordenadora. rsrsr. Uma curiosidade: A Fernanda que jurava que não ia fazer o exame acabou fazendo...parabéns Fernanda. Pois é, ela falou professora eu não vou ter coragem de deixar tirarem sangue...mas eu falei: bem, traga a auotirzação assinada por um dos seuus pais...se no dia você tiver vontade de fazer o exame sem a autorização não vou deixar você fazer. Ainda bem que ela trouxe, no dia quis fazer. E o incrível...ela tem Rh negativo...


Weslei depois da tipagem com a farmacêutica fazendo pose para uma foto.



Daiton estava sério e nem aí pra agulha...rs




Kelvin, confesse você ficou pálido e com tremedeira...rs. Mas fez o exame...parabéns!












Eu, Coordenadora Cristina, três alunos do 3 ano e a farmacêutica Débora.







Fernanda, quem diria...enfrentou o medo. Parabéns!








E Diego, é isso aí.



Vilma Luiza, grávida e ótima estudante.
Bem, esperamos terminar o projeto, onde a Dra Tania fará uma palestra esclarecendo sobre a doação de sangue e de órgãos na Escola Hilda Bergo Duarte.

Kátia Luana...maluquinha!

Bem, moramos a muito tempo aqui. Temos poucos vizinhos, mas um deles sempre fez parte da nossa vida porque assim como nós moram a vida toda por aqui, na mesma casa. No mes passado que ele alugou a casa e se mudou pra Campo Grande: Seu Amadeus, homem trabalhador, honesto, que já passou muitas dores na vida, já amou muito e ama seus netos e cuidou deles sozinho durante muito tempo, alguns netos foi porque perderam os pais de maneira cruel, ficaram órfãos. Outros, porque a filha casou-se e foi trabalhar no Japão, a fim de dar uma vida melhor para eles. Bem, seu Amadeus merece que todos lhes tiremos o chapéu, assim como também a Eucenes, sua filha, que foi para o Japão com seu marido, enfrentando a dificuldade de morar em outro país, com língua tão estranha e clima tão frio, para poder garantir o futuro dos dois filhos Cássio e Kátia. A Kátia ficou ainda pequena, próximo da sua adolescencia e puberdade. Imagine como seu Amadeus deu conta desse período com esses adolescentes...ao todo 5: 3 órfáos dos pais e 2 filhos da Eucenes. Os 3: Tamara a mais novinha, Rodolfo o do meio, e Patrícia, que já está casada e com filha. Tamara já está uma moça de 18 anos, linda, mora em Campo gGrande tbm,
Bem, mas o foco aqui é a Katia. Quando atingiu sua adolescência, passou a agir como todo adolescente, queria ir para todo lugar com os amigos, o vô não deixava...volta e meia dava umas palmadas...rsrsrsr....mas nada fora do normal, bem para um idoso até que ele conseguia dar conta do recado, mas nem sempre...rsrsrsr. Muitas vezes lá vinha Katinha...com um colchão nas costas, lençol...roupa de dormir...subia as escadas do predio que fica na frente da minha casa e dava pra janela do quarto de minha mãe...e gritava: SOCORROOOOO ( é o nome de minha mãe..rsr), abre o portão que vou dormir aí...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. lá íamos abrir o portão para katinha...r.srsrsrsrsrs....resolveu que não queria dormir na casa dela, pq o avô brigou com ela....rsrsrsrsrsr. Era uma novela.
Sempre tivemos certa preocupação com ela e Tamara, porque adolescência sem os pais é meio complicado, surgem dúvidas, os adolescentes ficam muito agitados, querem ir pra todo lugar, ouvem mais os amigos do que a familia....é uma novela.
Katinha era muito engraçada, animada quando estava aqui...aqui em casa mesmo não ficávamos sem rir quando ela se fazia presente...minha mãe morria de rir com as coisas dela. Cada dia aparecia com uma coisa diferente. Uma dia, quando minha tia do nordeste estava passeando aqui em casa, tia Rita, ela entrou no quarto, trancou a porta...tia Rita olhou, e disse pq vc fechou a porta Kátia? E ela aproveitando-se do medo de tia rita disse: Agora fique quieta que eu vou te matar Ritinhaaaaa......kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.....e tia Rita gritou...kkkkkkkkkkkkkkk...e a gente da cozinha vendo tudo...caimos na gargalhada! Até hoje tia Rita pergunta dela e das suas maluquices. Bem, passado algum tempo, já nos seus 15 anos, sua mãe achhou que era melhor tê-la por perto e conseguiu levá-la para o Japão. Ela foi e passou a trabalhar por lá, dando duro, preparando seu futuro também. Claro, que lá, seus estudos ficaram atrasados, mas com certeza na sua volta ela recomeçará seus estudos. A vida é dura, mas eu acredito que nossa legislação deveria mudar porque trabalho só engrandece as pessoas, e não acredito que adolescente que não faz nada na vida aprenda a ser um cidadão de verdade. Acho que trabalho, só ajuda a dar valor a vida, lógico que não deve atrapalhar os estudos, mas acho que ocupação para adolescentes deveria ser obrigatório já que as escolas não são integrais, se fossem, seria muito bom.
Bem, sempre converso com katinha no msn, e vejo que quem batalha vence na vida sim, ao contrário do que pregam nossos políticos representantes, quue cada vez mais querem alienar o povo, comprando com mixaria o desenvolvimento de famílias inteiras.
Não acredito que pagar miséria de bolsa família pra cada filho seja bom...isso sim é comprar voto de gente sem instrução nenhuma...fazer com que famílias sem conhecimento e sem estudo, e pior sem condições de dar uma vida melhor aos seus filhos, tenham mais e mais filhos, coloquem mais e mais filhos no mundo para sofrer...ou pior...para se tornarem marginais, pois é isso que acontece na maioria dos casos... O conhecimento, o trabalho, o estudo são as melhores manneiras de saber que se precisa planejar a quantidade de filhos que o casal pode ter, para poder dar-lhes condições de serem bons como cidadãos e terem um futuro promissor, só o conhecimento e o trabalho.

sábado, 1 de agosto de 2009

ESCOLA WEIMAR TORRES -
















Bem, gostaria de mostrar alguns trabalhos da turma do primeiro ano, do turno vespertino na escola de Guassulândia Weimar Torres, trabalho sobre células, lembrando que os trabalhos puderam ser desmontados para que os isopores e outros materiais que os alunos adicionaram possam ser utilizados em outros trabalhos e assim evitar o desperdício e também evitar o acúmulo de lixo, porque é nisso que se transformam trabalhos que ficam guardados na escola. Essa turma caprichou. Veja as fotos deles com seus trabalhos.